Campinas/SP - Quarta, 6 de julho de 2022 Agência de Notícias e Editora Gigo Notícias  
 
 
  home
  gigo notícias
  profissionais
  publicações
  clientes
  projetos
  entrevistas
  baú de notícias
  clippings
  galeria de fotos
  ensaios
  extra pauta
  cadastre-se !
  contato
Digite a expressão que deseja buscar
Cadastre-se e receba, por e-mail, as últimas do ClickNotícia.


Rua Alberto Belintani, 41
Whatsapp: (19) 98783-5187
CEP: 13087-680
Campinas-SP

 

CLIPPING: BANDAG

Revista Transporte Moderno - Ano 41 - Nº 406 - Outubro/2003 - Pág. 42 - Recapagem: um bom negócio


Nestes tempos em que a economia é a alma dos negócios

Nestes tempos em que a economia é a alma dos negócios, a recapagem de pneus passou a representar uma medida indispensável nas empresas de transporte de cargas e de passageiros. A aplicação de uma nova banda de rodagem transforma a carcaça em um pneu praticamente novo. E o custo, segundo empresas do setor, chega a ser três vezes menor que o produto novo. Esse baixo custo do processo pode ser calculado facilmente: para produzir um pneu novo são necessários 88 litros de petróleo, enquanto a recapagem requer apenas 28 litros.

 O segmento de recauchutagem tem apresentado uma evolução técnica extraordinária nos últimos cinco anos, segundo o presidente da Associação Brasileira de Recauchutadores (ABR), Paulo Fernando Moreira. O executivo diz que o País tem, hoje, níveis dc recapagem com qualidade internacional, notadamente para pneus de carga: “A evolução aparece nos materiais utilizados, no processo de aplicação, nos equipamentos e acessórios utilizados, que dispõem de sistema de mecanização digital”, comenta. “Depois dos Estados Unidos, somos o país com o melhor índice de recapabilidade, o que significa dizer que a cada pneu novo fabricado, dois são recapados. Na Europa, a cada pneu novo que sai da fábrica, menos de meio pneu é recapado”, comenta. Ele lamenta que este índice nacional não venha crescendo ultimamente em conseqüência da má qualidade das estradas nacionais, que praticamente “detonam” os pneus, tomando-os inservíveis para a recauchutagem. “Somos um expoente mundial na produção de recapagem; temos capacidade excedente. O Brasil sequer gera o número de carcaças que o mercado precisa”, acrescenta. 

Anualmente, são recapados noBrasil entre 12 a 15 milhões de pneus. Desse total, cerca de 8 milhões são destinados à área de transportes de cargas e de passageiros. Atualmente a ABR integra cerca de 1.300 associados, O setor movimenta anualmente algo em torno de USS 1 bilhão. “Hoje em dia 100% das empresas ligadas ao transporte utilizam o serviço”, calcula Moreira. Desse total, 70% são do setor de transporte de cargas, enquanto os 3(% restantes se destinam ao segmento de passageiros.

CAMPEÃO DE PROVAS

Também presentes na Fenatran, as empresas de recapagem aparecem com boas novidades para o transporte em geral. A Bandag, que atua no País desde 1975 e hoje possui 140 concessionários e quatro fábricas duas em São Paulo, uma no Paraná e outra em Santa Catarina —montou no seu estande um sistema Bandag Truck Service (BTS) completo, para mostrar aos clientes e visitantes como funciona o serviço, que presta atendimento à área de transporte de carga e de passageiros. O sistema está em operação desde novembro de 2001 e já integra 36 centros de atendimento, em 16 estados. Até o fim de 2003, o gerente geral da Bandag, Roberto Ducatti, prevê um total de 60 casas. 

“Hoje temos a mesma tecnologia dos EUA e da Europa”, diz o executivo, referindo-se à alta qualidade do produto oferecido, que pode ser empregado até em caminhões de corrida, como o VW 8.150 (foto), com mais de 330 cv de potência, que disputou o Rali dos Sertões pela equipe Yahn Racing. O veiculo é outra atração no estande da Bandag.

 A demanda pelos serviços de recapagem neste ano se mantiveram estáveis, equiparando-se à demanda de 2002, segundo o gerente geral. Com o aquecimento da economia, Ducatti prevê para a empresa um crescimento de 4% para 2004. “Temos mercado e temos infra-estrutura”, observa.

Do total de pneus recuperados pela empresa, 55% correspondem ao mercado de autônomos, 45% são proprietários de frotas de transporte de cargas e de passageiros. 

BANDAS INÉDITAS - Também presente na Fenatran, a Vipal, fabricante de produtos de borracha para reforma e reparos de pneus e câmaras de ar no Pais desde 1973, atualmente responde por 43% do mercado de produtos para reforma de pneus. A empresa apresenta para o consumidor a recém-lançada linha de bandas DV — produto de última geração para recapagens. No estande foi montada uma reformadora de pneus padrão, para proporcionar melhor visualização do processo. A Rede Vipal tem atualmente 200 reformadoras no Pais.

ALTA RESISTÊNCIA - Outra grande recapadora de pneus do mercado nacional, a Tipler estará mostrando aos visitantes da Fenatran as novas bandas da série 20 —RI 20 e RT 21, com desenhos lisos para pneus radiais, indicadas para quaisquer eixos, em longas distâncias e altas velocidades —além das versões RDT 38 — o mais recente lançamento da empresa para aplicações urbanas, a RT 74, de alta performance e a RT82, com alta aderência, para terrenos mistos, O diretor comercial e de Marketing da Tipler, Paulo Henrique Moller, diz que, embora seu principal produto seja a banda pré-moldada, a empresa vem se especializando no desenvolvimento de sofiwares,”Neste último ano comercializamos com sucesso o Sistema Tipler de (ierenciamento de Pneus (51(W) para muitas empresas de transporte de carga e de passageiros no País”, comenta.

« voltar



   Gigo Notícias    Política de Privacidade